Senadores avaliam incluir Ernesto Araújo entre indiciados na CPI

foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Sem foro privilegiado por não ser mais ministro, ele poderá ser citado em supostas infrações sanitárias, além de charlatanismo e estímulo à propagação da doença

O ex-chanceler Ernesto Araújo poderá ser um dos indiciados pela CPI da Pandemia por sua gestão do Itamaraty em meio à crise sanitária e por usar a rede diplomática brasileira como instrumento num esquema que teria contribuído para o número de mortos no país pela covid-19. A informação é do jornalista Jamil Chade, em sua coluna no portal UOL. 

Sem foro privilegiado por não ser mais ministro, Araújo poderá ser citado em supostas infrações sanitárias, além de charlatanismo e estímulo à propagação da doença. Uma decisão final sobre a inclusão de seu nome deve ser tomada nas próximas horas ou dias.

Fontes em Brasília que participaram da elaboração do relatório da CPI confirmaram à coluna que existem pelo menos dois motivos para uma possível inclusão de Araújo na lista de acusados.

Um deles seria a decisão inicial do ex-chanceler de não aderir ao plano da OMS (Organização Mundial da Saúde) de criação de um mecanismo de distribuição de vacinas, a Covax. Araújo era um dos principais defensores da ideia de que organismos internacionais não deveriam ter um papel central para lidar com a pandemia, reforçando sua ideologia que temia o enfraquecimento da soberania nacional.

Instruções enviadas pelo ex-chefe do Itamaraty aos postos pelo mundo ainda deixavam claro que existia uma ofensiva contra o que Araújo chama de “globalismo”. Até mesmo os termos usados pelos diplomatas brasileiros foram modificados para tratar de temas internacionais.

Quando o Brasil optou por finalmente fazer parte da iniciativa de vacinas, a decisão do governo foi por comprar o menor número de doses oferecidas pelo mecanismo. Pela proposta oferecida pela Covax, o Brasil poderia ter adquirido 86 milhões de doses. Mas escolheu reservar apenas 43 milhões.

Em abril de 2020, a coluna revelou com exclusividade a ausência do Brasil no primeiro encontro na OMS para lançar a iniciativa, além da constatação de que a compra de vacinas seria a mais baixa possível.

Via Brasil 247

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *