As Feras da Motociata

Francis Coppola, diretor de “O Poderoso Chefão”, em 1983, nos brindou com “O Selvagem da Motocicleta”, um filme que rapidamente se tornou um clássico. O que torna uma obra de arte clássica é a capacidade de transcender e tocar em dilemas que nos perseguem ao longo do tempo.

Amarildo Cenci, presidente da CUT-RS. Foto: CUT-RS/ Divulgação

A trama se desenrola em uma cidade industrial decadente. É emblemático que os motores da mais recente motociata tenham roncado nas portas da FIERGS. Soa como escárnio às empresas atoladas pela crise, com altos índices de ociosidade e falta de perspectivas, muitas das quais trocaram anúncios de “há vagas” por “vende-se”.

Um séquito sentou suas nádegas em máquinas importadas. Patriotas se ornamentaram de verde e amarelo, mas frequentam lojas com estátuas da liberdade entupidas de produtos “made” no exterior. Empreendedores que transformaram suas empresas em pia batismal de produtos importados.

Rusty é o personagem principal do filme de Coppola. Seu passatempo predileto é insultar. Sua fonte de prazer é a violência. Um tipo atormentado pela incompetência e pela necessidade de ser olhado e reconhecido, tal qual o abre alas dessas motociatas.

Em seu tour em Porto Alegre, o presidente não se solidarizou com a dor e o luto de milhões de famílias vítimas da Covid-19. Silêncio absoluto sobre os 14 milhões de desempregados, que padecem com as panelas vazias, acerca de mais uma alta nos preços do gás de cozinha e dos combustíveis. Nenhum comentário sobre a multidão de jovens obrigados a sobreviver na mendicância ou vendendo produtos sem valor nas sinaleiras e esquinas da cidade.

O delírio do presidente é gozar dias de Benito Mussolini, “Il Dulce”. Suas motociatas são momentos oportunos para ser grosseiro, insultar adversários, desacreditar as instituições e disparar impropérios. “O Selvagem da Motocicleta” acaba com o personagem principal sendo submetido à lei, sob o olhar conformado dos curiosos. Falta pouco para que o nosso pesadelo tenha esse desfecho.

Por Amarildo Cenci – Presidente da CUT/RS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *