CPI: aliados de Bolsonaro mostram desespero e comprovam pressão sobre governo no caso Covaxin

Líder do governo, Fernando Bezerra Coelho está extremamente exaltado na sessão desta sexta-feira (25), quando vem à tona um escândalo de corrupção na compra de vacinas. Marcos Rogério tenta inverter a narrativa, contra o depoente, Luis Ricardo Miranda (vídeo)

Fernando Bezerra e Marcos Rogério (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

A base governista está especialmente exaltada na sessão desta sexta-feira (25) na CPI da Covid, dia em que vem à tona um provável escândalo de corrupção na compra da vacina indiana Covaxin pelo governo Bolsonaro. Depõem no Senado o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda.

Nas primeiras horas da sessão, o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo Bolsonaro, demonstrou diversas vezes estar muito irritado, fazendo falas aos gritos e interrompendo o relator, Renan Calheiros (MDB-AL).

“O Fernando Bezerra que está aqui hoje não é o Fernando Bezerra que eu conheço, está muito nervoso”, chegou a comentar o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI.

Outro senador bolsonarista, Marcos Rogério (DEM-RO) tentou fazer justificativas absurdas em relação à negociação da Covaxin e fez perguntas sem sentido, irritando os colegas. Segundo ele, a “pressa” era em virtude de comprar vacina e salvar vidas. 

Sobre o fato de o servidor ter sido pressionado diretamente pelo diretor da Precisa Medicamentos, algo atípico em negociações do governo, e em horários anormais (à noite e no final de semana), Marcos Rogério questionou: “agora trabalhar até mais tarde é problema?”.

“Tá mais perdido do que cego em tiroteio”, comentou a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) sobre as perguntas de Marcos Rogério.

O momento que gerou o maior bate-boca, no entanto, foi quando Marcos Rogério acusou Luis Miranda de ter “motivação” para estar ali, denunciando o governo Bolsonaro. Irritados, os senadores presentes questionaram o parlamentar governista sobre qual seria a motivação. “Qual é a motivação dele?”, indaga Aziz. “Não, senador…não”, Marcos Rogério.

Após intenso bate-boca generalizado, a sessão foi interrompida por dez minutos.

Via Brasil 247

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *