Marco Aurélio vota contra suspeição de Moro, mas ex-juiz perde por 7 a 3 no STF

Prestes a se aposentar, ministro do STF fez defesa enfática da Operação Lava Jato e do ex-juiz Sergio Moro, a quem chamou de “heroi nacional”. Porém, julgamento retomado nesta quarta-feira já tem resultado definido a favor da suspeição

Marco Aurélio Mello e Sergio Moro (Foto: STF)

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, votou contra a suspeição do ex-juiz Sergio Moro no âmbito do processo do triplex do Guarujá, que resultou na condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O placar do julgamento está em 7 x 3, portanto, já foi formada maioria a favor do entendimento da suspeição, o que aconteceu em março.

O Plenário do Supremo Tribunal Federal retomou nesta quarta-feira (23) o julgamento em que se discute a decisão da 2ª Turma da corte que declarou a suspeição de Moro na ação penal contra Lula referente ao tríplex. A sessão é realizada por meio de videoconferência (assista abaixo pela TV 247).

Até o momento, há sete votos pela manutenção da decisão da 2ª Turma, dos ministros Gilmar Mendes, Nunes Marques, Alexandre de Moraes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski e das ministras Rosa Weber e Cármen Lúcia. Com a conclusão do voto de Marco Aurélio, que havia pedido vista dos autos, falta apenas o presidente da Corte, Luiz Fux.

Em seu voto, o decano da corte, que está prestes a se aposentar, fez uma defesa enfática da Operação Lava Jato, sobre a qual destacou o “combate à corrupção”, e de Sergio Moro, quem chamou de “herói nacional” que “honrou o Judiciário”. Sobre os diálogos expostos na Operação Spoofing, que revelou irregularidades entre procuradores da força-tarefa de Curitiba e de Sergio Moro, o ministro considerou “normais”.

“Sim, o juiz Sergio Moro surgiu como verdadeiro herói nacional. Do dia para a noite, ou melhor, passado algum tempo, é tomado como suspeito”, afirmou o magistrado. Sem citar o nome de Gilmar Mendes diretamente, Marco Aurélio fez críticas ao colega pelo pedido de vista feito por ele inicialmente nesse caso.

Via: Brasil 247

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *