Bolsonaro volta a citar dados falsos sobre mortes por Covid já desmentidos pelo TCU

Em culto religioso em Anápolis (GO), Jair Bolsonaro expôs estratégia do relatório falso elaborado por um servidor do TCU, usado apenas para dar munição aos seus discursos. Diz que o Brasil é um dos países “onde menos se morre” na pandemia, por conta do “tratamento precoce” com cloroquina

Bolsonaro durante culto em Anápolis (GO) (Foto: Alan Santos/PR | Reprodução)

Durante um culto evangélico na cidade de Anápolis, em Goiás, na tarde desta quarta-feira (9), Jair Bolsonaro voltou a citar um relatório com números falsos, que ele atribui ao Tribunal de Contas da União, e que indica que haveria um suposto “superdimensionamento” das mortes por Covid-19 no Brasil. 

O documento foi elaborado pelo auditor do TCU Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques com base em seu posicionamento pessoal e já desautorizado pelo Tribunal. Ele inseriu o relatório no sistema do TCU no último domingo (6), um dia antes de Bolsonaro citá-lo pela primeira vez para divulgar a falsa informação de que 50% das mortes na pandemia não ocorreram em decorrência da Covid. O servidor foi afastado, será convocado à CPI da Covid e investigado pela Corregedoria do Tribunal de Contas.

Em sua fala com os evangélicos, Bolsonaro deu entender que as [falsas] tabelas do TCU mostram que, sem o suposto “superdimensionamento”, o Brasil é um dos países que menos se morre, o que é falso. Ele também atribuiu o resultado (inexistente) ao chamado “tratamento precoce”, com base em hidroxicloroquina. E afirmou que as vacinas são “experimentos”.

“Se tirar possíveis fraudes, em 2020, Brasil é país com menor nº de morte/milhão por Covid. Que milagre é esse? Tratamento precoce! Quem aqui tomou hidroxicloroquina? [gritos]. Querem prova maior? Eu tomei!”.

Bolsonaro também voltou a atacar a China, dizendo que o vírus da Covid foi criado em laboratório, um dia depois de a embaixada chinesa criticar a politização em relação à origem do vírus e após documentos comprovarem que os ataques do governo brasileiro ao país asiático prejudicaram a compra da Coronavac.

Via: Brasil 247

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *