Brasil bate novo recorde e registra 3.780 mortes por Covid-19 em 24h

Foto: MICHAEL DANTAS / AFP

Ao todo, 317.646 brasileiros morreram vítimas da doença causada pelo novo coronavírus

O Brasil bateu nesta terça-feira (30) novo recorde, com o registro de mais 3.780 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com o levantamento do Conass (Conselho Nacional de Secretários da Saúde). 

Esse número pode ser ainda maior, já que os dados de Roraima não foram atualizados por problemas técnicos. 

Antes, o maior aumento registrado em um só dia foi na última sexta-feira (26), quando 3.610 vítimas entraram na contagem. Ao todo, foram confirmados 317.646 óbitos em decorrência da doença no país.

Com a atualização, a média móvel de mortes também atinge nova máxima, de 2.710 nos últimos sete dias.  

Também foram adicionados mais 84.494 casos, totalizando 12.658.109 desde o início da pandemia.

Em março, o Brasil foi o país em que mais se morreu por Covid-19, de acordo com dados da plataforma Our World in Data, ligada à Universidade de Oxford. Até esta segunda (29), 58.924 brasileiros morreram vítimas da doença, mais que o dobro dos óbitos registrados na Ásia no mesmo período. 

O país tem batido recordes sucessivos de casos e mortes diárias e a falta de insumos preocupa os profissionais de saúde, que chegam a recorrer à clínicas veterinárias para obter medicamentos para intubar os pacientes. 

Enterro de vítima da Covid-19 no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo
Enterro de vítima da Covid-19 no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo

Até o começo desta tarde, 24 estados e o Distrito Federal tinham mais de 80% de ocupação dos leitos de UTI. Só Amazonas e Roraima não atingiram esse patamar. Em Rondônia e no Mato Grosso do Sul, não havia nenhuma vaga de terapia intensiva disponível. 

Enquanto isso, a vacinação avança lentamente. De acordo com levantamento feito pela CNN com dados das secretarias de Saúde, 16,6 milhões de brasileiros receberam a primeira dose e 4,9 milhões, a segunda, necessária para ser considerado imunizado. Isso corresponde a 7,8% e 2,3% da população, respectivamente. 

Mais cedo, a Anvisa negou o certificado de boas práticas à farmacêutica Bharat Biotech, que produz a Covaxin, por descumprimento de requisitos. Essa etapa é necessária para obter a autorização de uso emergencial ou registro definitivo de um medicamento. 

Em fevereiro, o Ministério da Saúde assinou contrato de compra de 20 milhões de doses desse imunizante, com entrega prevista para começar ainda em março.

Via CNN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *