Deltan Dallagnol armou encontro com João Roberto Marinho, da Globo, em novembro de 2015

Novas conversas reveladas pelo The Intercept Brasil na série de reportagens da Vaza Jato mostram que o procurador Deltan Dallagnol, ex-coordenador da operação Lava Jato, buscou atuar alinhado com a Rede Globo e pediu apoio a João Roberto Marinho, presidente dos conselhos Editorial e Institucional do Grupo Globo e vice-presidente do Conselho de Administração, e ao jornalista Merval Pereira, colunista de O Globo e comentarista da GloboNews, em 2015.

Conforme relatado pelo próprio Deltan em conversas expostas pela Vaza Jato, no dia 25 de novembro, o procurador se reuniu com João Roberto Marinho para, segundo os assessores da Lava Jato, buscar “apoio institucional das Organizações Globo à campanha [das 10 Medidas] fora dos canais jornalísticos, ou seja, veiculação de VTs, talvez um um encarte ou anúncio no Globo, na Época”.

“Almocei na quarta com João Roberto Marinho. É ele quem, segundo muitos, manda de fato na globo. Responsável pela área editorial do grupo. A pessoa que mais manda na área de comunicação no país”, escreveu Dallagnol no grupo FT MPF Curitiba 2, no dia 27.

“A pessoa que mais manda na área de comunicação no país. Quem marcou foi Joaquim Falcao. Para evitar repercussão negativa, foi na casa do Falcao. Falei do grupo, do trabalho e das medidas. Falei da guerra de comunicação que há no caso. Ele ouviu atentamente e deu seu apoio às 10 medidas. Vai abrir espaço de publicidade na globo gratuitamente”, completou.

Em 20 de dezembro, bem próximo do fim do ano, o jornal O Globo publica o seguinte editorial: “Combate à corrupção passa pelo fim da impunidade“. No texto, o jornal defende as 10 medidas e fala em um “esquema de drenagem de dinheiro público ao longo dos governos lulopetistas”.

A reunião de 25 de novembro, no entanto, não foi o primeiro elo de aproximação da Lava Jato com a Globo. Com o Intercept aponta, o Jornal Nacional já era privilegiado nos vazamentos, mas a partir daquele mês de novembro, a relação se acercou.

José Roberto Marinho, vice-presidente do Grupo Globo e presidente da Fundação Roberto Marinho, já havia conversado com um procurador sobre a campanha.

Além disso, Dallagnol se encontrou pessoalmente com Merval Pereira naquele mesmo mês, o que lhe rendeu um artigo chamado “Atrás da prova concreta”, sobre a saga dos procuradores contra o ex-presidente Lula. “Lula é alguém em que você não pode dar uma mordida na perna. Se sair tem que ser para engolir”, disse alguém dos bastidores a Merval.

Via Revista Fórum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *