Juristas acionam CNMP e pedem demissão dos procuradores da Lava Jato

Fernando Hideo Lacerda, Marco Aurélio de Carvalho e Carol Proner ingressaram com reclamação disciplinar no Conselho Nacional do Ministério Público para que o órgão tenha acesso ao conteúdo dos diálogos entre Sergio Moro e os procuradores da Lava Jato apontando que tais conversas “constituem material de evidente interesse público e questão de soberania nacional”

Os juristas Fernando Hideo Lacerda, Marco Aurélio de Carvalho e Carol Proner ingressaram com reclamação disciplinar no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para apurar as condutas dos procuradores da República que integram a força-tarefa da Lava Jato a partir das revelações dos diálogos da Operação Spoofing que evidenciaram conluiu para condenar réus, entre os quais o ex-presiddente Lula. 

O pedido é para que o CNMP tenha acesso à íntegra do material apreendido na Operação Spoofing e possa fazer a distinção entre as mensagens de caráter privado, que merecem sigilo em razão do direito à intimidade e vida privada, e as mensagens funcionais trocados pelos procuradores no exercício do cargo, que devem ser de conhecimento público em razão do direito à informação e ao princípio da supremacia do interesse público sobre o interesse privado.

“Tais mensagens, somadas à transparência que deve ser dada ao teor dos acordos de leniência e delação premiada celebrado pelos integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato, muitas vezes em cooperação clandestina com autoridades estrangeiras, constituem material de evidente interesse público e questão de soberania nacional”, sustentam os juristas.

O pedido aponta ainda as sanções previstas para tais crimes cometidos pelos prcuradores , entre as quais a pena de demissão dos procuradores da República, “caso se comprove a lesão aos cofres públicos ou dilapidação do patrimônio nacional, a prática de improbidade administrativa ou a revelação de segredos nacionais”.

Via Brasil247

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *