Desembargadora Lígia Ramos e filhos são denunciados por organização criminosa pelo MPF e ela segue recebendo salário integral

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou a desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA) Lígia Maria Ramos Cunha, seus filhos Arthur e Rui Barata, e outros três advogados por organização criminosa.

A denúncia é a sexta apresentada ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) desde a deflagração da Operação Faroeste, em 2019, que apura a participação de magistrados que recebiam propinas em troca de decisões favoráveis, como a regularização indevida de terras na região oeste da Bahia.

A denúncia aponta que os envolvidos teriam recebido R$ 950 mil em vantagens indevidas em um esquema que incluiu decisões da desembargadora Lígia Cunha em quatro processos. Em três deles, a magistrada era a relatora. Lígia está presa desde 14 de dezembro.

A subprocuradora-geral da República, Lindôra Maria Araújo, afirma que a denúncia se sustenta em informações e documentos entregues por Júlio César Cavalcanti Ferreira, que firmou acordo de colaboração premiada com o MPF.

Via Brasil247

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *