Mourão mente sobre Coronavac e embasa sermão de pastor bolsonarista: “Nenhum país comprou”

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) mentiu durante entrevista a jornalista na manhã desta segunda-feira (14) ao responder negativamente a uma indagação feita por ele mesmo sobre a Coronavac, vacina contra o coronavírus desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e que no Brasil está sendo produzida em parceria com o Instituto Butantan.

“Quem comprou a Coronavac? Nenhum país comprou a Coronavac. Está todo mundo comprando Pfizer ou outras aí”, disse, citando a vacina que está sendo produzida pela farmacêutica dos EUA.

Mourão, no entanto, ignora que pelo menos outros três países, além do Brasil – por meio do governo de São Paulo, comandado pelo “inimigo” João Doria (PSDB) – e da própria China, realizam testes com o medicamento e ao menos um, a Indonésia, já planeja começar a vacinar a população.

A Indonésia recebeu no último dia 6, o primeiro lote da CoronaVac, com 1,2 milhão de doses. A vacina foi testada no país. O governo indonésio espera outra remessa, com mais 1,8 milhão, no início de janeiro.

A vacinação começará em dezembro, de forma gratuita, e serão priorizados os profissionais que estão na linha de frente do combate à pandemia, como profissionais de saúde, policiais, militares e funcionários públicos.

O ministério da Saúde turco fechou um acordo com a Sinovac para o fornecimento de 50 milhões de doses, para atender parte dos 83 milhões de habitantes.

A vacina ainda não foi oficialmente aprovada no país, mas, segundo o governo turco, será concedida uma autorização de uso antecipada se os laboratórios do país confirmarem que a CoronaVac é segura.

O Chile também fechou um acordo para fornecimento de 20 milhões de doses da vacina pelo laboratório chinês. Atualmente, o Instituto de Saúde Pública, equivalente chileno à Anvisa, já avalia um pedido de uso emergencial da vacina da Pfizer, com quem o governo chileno fechou um acordo para o fornecimento de 10 milhões de doses.

Na China, a vacina da Sinovac ainda não foi oficialmente registrada, mas já está sendo aplicada, em regime de uso emergencial. Estão sendo imunizados funcionários do governo chinês, como profissionais de saúde e equipes que trabalham nas fronteiras.

Via Revista Fórum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *