Autoritarismo: Bolsonaro veta lei que regulamenta a profissão de historiador

Foto: Ascom Pedro Uczai

Jair Bolsonaro continua sua escalada autoritária e mostra desrespeito com a produção do conhecimento ao vetar integralmente o Projeto de Lei (PLS 368/09) que regulamenta a profissão de historiador. Ao vetar o projeto, Bolsonaro coloca em risco a profissão que estuda a ciência da nossa história, que relata e escreve as nossas memórias. Em oposição ao veto, o deputado Pedro Uczai enfatizou que a profissão de historiador é muito importante para a memória do país e para o futuro dos milhões de brasileiros e brasileiras.

“A nossa mobilização é para derrubar o veto do presidente, que não gosta de história, não gosta de ciência, não gosta de universidade e de pensamento crítico. Reconhecer a profissão de historiador é reconhecer a sua história, as nossas memórias, é reconhecer que este Brasil plural, contraditório têm direito a visibilidade para todos os sujeitos, para todos que construíram essa história.Vetar a regulamentação da profissão de historiador é manchar a bandeira da educação”, salientou Uczai.

Sociologia e Filosofia

Pedro Uczai, quando ocupou uma cadeira na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, articulou leis para implementar quatro disciplinas essenciais no desenvolvimento físico e intelectual dos estudantes. “Garantimos o ensino da Artes e de Educação Física no Ensino Fundamental. Já no Ensino Médio asseguramos as disciplinas de Sociologia e Filosofia. Essas disciplinas são fundamentais para a criação do intelecto das pessoas e de um futuro mais consciente da vida.”, enfatizou o deputado, que tem mestrado em História do Brasil.

O que diz o Projeto de Lei 368/2009?

O projeto visa regulamentar o exercício da atividade de historiador para todos os profissionais que obtém diploma de curso superior, mestrado ou doutorado com linha de pesquisa dedicada à história. A lei ainda abrange profissionais diplomados em outras áreas que comprovem ter exercido a profissão de historiador por mais de cinco anos a contar da data da promulgação da futura lei.

O veto de Bolsonaro põe em risco a validação dessa profissão vital para a memória brasileira. Uczai reforça que é preciso se organizar e mobilizar, para que o veto seja derrubado. “Precisamos usar as redes sociais como ferramentas de embate contra o governo Bolsonaro. Não podemos sair às ruas, mas podemos nos articular pelas redes. Unidos vamos conseguir derrubar o veto de Bolsonaro, e assim, garantir mais uma vitória da educação”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *