Margarida Salomão: Volta às aulas e ENEM devem priorizar segurança e inclusão social

Foto: Lula Marques/Liderança do PT na Câmara

Coordenadora da Frente Parlamentar em Defesa das Universidades, a deputada federal Margarida Salomão (PT-MG) rechaçou qualquer possibilidade de retomada de atividades presenciais em escolas e universidades do país, em uma live, no sábado (11/07). A parlamentar enfatizou dois “princípios inegociáveis”: a segurança sanitária das atividades educacionais e o compromisso de não aprofundar a desigualdade social.

“A volta às aulas não vai acontecer como um milagre. Agosto não é um novo março. Atividades presenciais só serão possíveis quando escolas e universidades se adequarem às as condições sanitárias atualmente imprescindíveis. Isso em respeito a docentes e discentes”.

Tal adequação, diz, passa inevitavelmente pela estrutura física. Não há mais segurança em salas de aula para 60 estudantes, anfiteatros para mais de cem pessoas. Contudo, a mudança ocorre também no quadro de professores, que deverá ser ampliado para dar conta da nova realidade de ensino.

“Muito se engana quem pensa que o ensino remoto permitirá a demissão de professores. Nada disso. Atividades remotas são rotineiras – a tarefa de ler conteúdos em casa é um bom exemplo. Por outro lado, as turmas deverão ser menores, daqui por diante, o que amplia a necessidade de professores”.

Adiamento do Enem
Margarida é especialmente crítica quanto a realização do Enem. Em sua opinião, o MEC cometeu uma enorme barbeiragem ao marcar as provas para janeiro – contrariando a preferência de estudantes, apurada em enquete. Sustentar a data, afirma a deputada, é privilegiar os afortunados, aqueles que conseguiram dar continuidade a seus estudos durante a quarentena.

“Desse modo, o que o MEC está fazendo é aprofundar a desigualdade no país, quase que proibindo que o segmento popular do país concorra ao Enem. Nosso acordo, no Congresso, é para que o Senado mude isso muito em breve, certificando que a prova só ocorra quando a carga horária e os conteúdos forem cumpridos e os estados reunirem condições sanitárias que efetivamente permitam o evento”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *