Promotores de SP querem ser incluídos em prioridades para vacina contra Covid-19

Foto: Reprodução

Promotores do Ministério Público de São Paulo (MPSP) movimentam-se para serem considerados grupo prioritário para a vacinação contra a Covid-19. O assunto foi debatido em uma reunião do Conselho Superior do Ministério Público do estado, realizada no último dia 24 de novembro.

A sugestão foi feita pelo promotor Roberto Barbosa Alves e foi endossa por outros colegas. Alves entregou o pedido ao promotor Arual Martins, que integra o conselho do MP paulista e se encarregou de apresentar a sugestão aos demais membros do órgão.

Coube a Arual Martins a leitura de um trecho da petição, em que Barbosa Alves e os colegas que endossam a carta justificam por que deveriam ter prioridade na vacinação contra a Covid-19.

“Não é uma questão de egoísmo em relação a outras carreiras, mas tendo em vista notadamente os colegas do primeiro grau, que trabalham com audiências, atendimento ao público e outras atividades em que o contato social é extremamente grande e faz parte do nosso dia a dia”, diz o trecho lido pelo conselheiro.

Nesta semana, o Ministério da Saúde divulgou orientações a respeito das prioridades. Tão logo uma vacina esteja disponível, o governo federal considerará como prioritários os idosos acima de 75 anos, os profissionais da área da saúde e os indígenas. 

O critério foi o risco para complicações e formas mais graves da doença do novo coronavírus, bem como a exposição constante a possibilidades de contaminação, como no caso dos médicos, enfermeiros e demais categorias da saúde.

Chefe do MP admite possibilidade

Diante da sugestão do colega, o procurador-geral de São Paulo, Mário Sarubbo, admitiu a possibilidade de “pessoalmente se empenhar em apresentar esse pleito ao Governo do Estado”, segundo a ata da reunião, disponível no site do MPSP.

Aos demais conselheiros, Sarubbo afirmou que se reuniu naquela semana com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que o informou de que os testes da Coronavac foram concluídos e que o projeto está em fase de preparação para o pedido do registro na Anvisa.

O procurador-geral prosseguiu dizendo que, segundo a informação que recebeu de Doria, “há uma perspectiva de que a partir de janeiro comecem as vacinações, inicialmente para a população mais vulnerável, que seriam os idosos, os profissionais de medicina, e assim por diante”.

Via CNN Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *