No rastro do gabinete do ódio: PF investiga sócio e financiadores do blog bolsonarista Terça Livre

Foto: Alessandro Dantas

A Polícia Federal investiga um sócio oculto e financiadores do site conservador Terça Livre, fundado por Allan dos Santos, aliado do presidente da República. O blogueiro bolsonarista está na mira de dois inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF) — que apuram uma rede de propagação de notícias falsas e atos antidemocráticos contra a Corte e o Congresso.

Ao longo das apurações, a PF descobriu que Allan dos Santos tem como parceiro de negócios o empresário Bruno Ayres, sócio de uma companhia sediada em Delaware, nos Estados Unidos, e dono de uma empresa de tecnologia em Brasília que tem contratos com empresas públicas. Ao ser questionado pelos investigadores sobre a sua ligação com o canal Terça Livre, Bruno respondeu em seu depoimento que é “sócio oculto” por meio de um contrato de sociedade em conta em participação, atuando como consultor em questões estratégicas.

Allan e Bruno se conheceram em 2014 durante um evento em Brasília. Três anos depois, os dois se tornaram parceiros de um projeto que previa a criação de uma espécie de “Netflix de cursos em diversas áreas”. Desde então, a relação comercial entre os sócios se estreitou cada vez mais. Em mensagens analisadas pela PF, Bruno chegou a pedir ajuda de Allan para se aproximar de Luciano Hang, dono da Havan. Ele também alertou um funcionário do site a não deixar exposto um veículo luxuoso estacionado na garagem do fundador do Terça Livre. “Não queria expor um carro caro”, justificou o empresário para a PF.

Procurado, Bruno afirmou que optou pela modalidade de “sócio oculto”, prevista na legislação, porque é o formato que “mais se adequada” à sua participação no negócio. “Não estou oculto no negócio”, afirma ele, reforçando que atua no Terça Livre na “condição de sócio participante”. “Sou empresário há 20 anos e presto serviços majoritariamente para o setor privado. Os poucos contratos públicos que tenho foram iniciados antes do início do atual governo”, completa. (…)

Via Veja

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *