MPF-RJ quer que CBV explique trato diferente a Carol Solberg e apoio da Seleção a Bolsonaro

O MPF-RJ (Ministério Público Federal do Rio de Janeiro) protocolou neste sábado (10) um pedido para que a CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) explique a diferença de critérios na reação da entidade após o caso da entrevista em que a atleta Carol Solberg diz “fora Bolsonaro”, em comparação com episódio em 2018, em pleno ano eleitoral, em que dois jogadores da seleção masculina terminaram a partida fazendo “17” com os dedos para as câmeras, em clara alusão ao número do então candidato Jair Bolsonaro.

O pedido foi do procurador Leandro Mitidieri Figueiredo, que deu prazo de no máximo 10 dias úteis para a CBV detalhar qual artigo Solberg teria infringido com a frase que disse durante a entrevista, e porque essa mesma suposta infração não se aplicaria ao caso dos atletas Wallace e Maurício de Souza, que aconteceu em 2018.

Mitidieri alega que o pedido expressa preocupação de que a diferença na forma como a CBV atuou nos dos casos possa significar uma espécie de censura à liberdade de expressão de Solberg.

Vale lembrar que, no caso ocorrido em 2018, apenas o técnico da seleção, Renan dal Zotto, pediu que os atletas “não fizessem mais esse tipo de manifestação”, mas sem repudiá-la especificamente. Já a CBV jamais se pronunciou sobre o caso, e tampouco o STJD.

Via Revista Fórum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *