Bolsonaro considera Queiroz um “soldado” a seu serviço e teme Wassef

Do Brasil 247

Assessores de Jair Bolsonaro afirmaram que Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), e o advogado Frederick Wassef “complicaram” a vida do parlamentar. Interlocutores veem o defensor como “imprevisível e incontrolável”, e mais perigoso do que Queiroz, tido como um “soldado” por pessoas próximas ao clã presidencial. A informação foi publicada no blog de Andreia Sadi

Interlocutores avaliaram que, se o escândalo de lavagem de dinheiro envolvesse o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ou o vereador Carlos Bolsonaro, dificilmente a base governista salvaria o mandato de um dos dois. De acordo com assessores, Flávio tem o “apreço” de senadores, que buscam blindagem ao senador. A entrega de novos cargos ao chamado “centrão” será mais uma tentativa de garantir a continuidade do mandato do parlamentar. 

Queiroz foi preso na quinta-feira (18) da semana passada em Atibaia (SP) por acusação de envolvimento no esquema de lavagem de dinheiro. Ao ser encontrado por policiais, o ex-assessor estava escondido em um imóvel do advogado, que deixou a defesa do senador. 

De acordo com relatório do antigo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), Queiroz movimentou cerca de R$ 7 milhões de 2014 a 2017. Ele era assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio. O parlamentar era deputado estadual antes de ser eleito para o Senado. 

O Ministério Público do Rio (MP-RJ) deve denunciar o senador e Queiroz nesta sexta-feira (26) por peculato e organização criminosa.

Neste mês de junho, o procurador da República Sérgio Pinel afirmou ter encontrado “fortes indícios da prática de crime de lavagem de dinheiro” envolvendo o filho de Jair Bolsonaro. O MP-RJ já teria encontrado indícios de que o senador lavou R$ 2,27 milhões com compra de imóveis e em sua loja de chocolates. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *